1. Cisne

Livro 1 da série Uma geração. Todas as decisões.




A publicação original de Cisne foi em 2012, pela editora Dracaena. Apesar de suas 832 páginas, Cisne esgotou menos de um ano após seu lançamento e, atualmente, encontra-se indisponível na maior parte das grandes livrarias.

Sua segunda edição aconteceu apenas no final de 2014, pela Mundo Uno Editora. Com ajustes de texto e diagramação, seu número de páginas foi reduzido para 726 e sua capa original sofreu uma releitura: o céu azul foi substituído por um belo pôr-de-Sol e o barco Cisne recebeu maior zoom, tomando a maior parte da capa.

Sinopse (2a. edição)

Unificada e em paz, a Terra se dedicou à ciência e à exploração espacial, descobrindo Tarilian, um planeta habitado inesperadamente próximo. As relações entre os dois mundos iniciaram corteses, mas rapidamente uma rivalidade inútil se estabeleceu, minando a amizade entre terráqueos e tarilianos. Um infeliz incidente diplomático piorou ainda mais as relações interplanetárias; a solução para o impasse se encontra no Cisne, um veleiro movido a energia solar que é um dos mais avançados biolabs flutuantes do planeta. O Cisne também é o lar da família Melbourne: os pais, Doris e Henry, são os biólogos marinhos responsáveis pelo barco; os filhos são sua irriquieta tripulação.

Sem saber que fazem parte de uma geração que decidirá o futuro do mundo inteiro, agora os jovens Melbourne precisarão dar o melhor de si para melhorar as relações entre Terra e Tarilian.


Primeira edição: esgotada, facilmente identificável por sua característica capa azul.


Sinopse (1a. edição)

Ninguém sabe exatamente quais são os critérios de seleção da Escola Avançada de Champ-Bleux, mas não há como discutir sua eficácia. Seus exames de ingresso não erram nunca! Entre milhares de candidatos de todos os pontos da Terra, apenas duzentos e cinquenta são escolhidos a cada semestre. E, num mundo onde ser cientista é o maior status que alguém pode desejar, a Escola Avançada de Champ-Bleux forma aqueles que são disputados a peso de ouro.

Doris e Henry Melbourne são cientistas formados por Champ-Bleux. Aparentemente, são biólogos marinhos. Aparentemente, suas vidas se centram no Cisne, barco de pesquisas onde moram com os filhos. E, também aparentemente, são terráqueos...

Seus filhos acreditam em todas essas aparências – ao menos por enquanto. Seguindo os passos dos pais, os jovens Melbourne fizeram os exames de ingresso para Champ-Bleux. Enquanto, cheios de expectativa, aguardam os resultados para saber se ao menos um deles entrou na Escola Avançada, veem-se envolvidos numa questão diplomática entre Terra e Tarilian, o único outro mundo habitado que os terráqueos conhecem. Inesperadamente, o futuro das relações entre os dois mundos vai ser decidido em um barco no meio do oceano!

Mal sabem eles que isso é apenas o começo... Logo precisarão decidir pela Terra inteira!



Curiosidade: a capa

O veleiro solar Cisne é o local onde acontece a maior parte da história e, por isso, foi o título escolhido para o primeiro volume da série Uma Geração, Todas as Decisões. Mas não foi fácil passar o barco para o papel!

Eu: o Cisne é um grande veleiro...
Krás (o desenhista): Grande? Grande, que tamanho? Precisamos de uma escala.
Eu: ... Veleiro que se move a partir da energia coletada por suas velas solares.
Krás: Como imaginou as velas solares?
Eu: Ah, elas parecem velas convencionais, mas são coletores solares.
Krás: Então elas não podem se sobrepor umas às outras, precisam se mover para acompanhar o Sol, precisam ter uma ranhura no meio para quando o Sol estiver a pino...  

Ou seja, barco na cabeça é uma coisa. No papel, outra bem diferente! Aqui estão os primeiros esboços a lápis, a partir dos quais começamos a realmente dar forma ao Cisne.



Diversos ângulos do barco, depois de estabelecer que jeito teria o casco, quantos mastros seriam, o tamanho do esporão da proa e por aí vai.








Este foi o primeiro esboço de como a capa realmente ficaria, em termos de perspectiva.












Já ganhando mais detalhes. As velas ainda estavam em discussão, e ganharam diversas formas até a decisão final. Golfinhos? Sempre junto. Adoro golfinhos.

Observação: segunda edição - sem golfinhos.











O último esboço a lápis, com as velas já na forma definitiva.






Concluindo, o desenho finalizado, ou seja, só com os traços que vão realmente permanecer.










Até aqui, o trabalho foi só do talentoso desenhista. Passo seguinte, a cor. 
 




Não vou colocar aqui todas as nossas tentativas, ideias e discussões. Fica só a gravura final, que serviu como base para a capa do livro.









Como extra, deixo um esboço de cor feito sobre o desenho a lápis. É um estilo bem diferente, mas tem seu charme!


11 comentários:

  1. O resultado final ficou lindo! AMEI!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei muito. Foi um processo de criação acompanhado com muito carinho!

      Excluir
  2. Oi Eleonor,

    Ficou lindo o resultado final, e a pintura à lápis, tem seu charme *-*
    Sou suspeita para falar, porque amo esse livro =)

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A versão a lápis, colorida desse jeito que parece aquarela, ficou fofíssima mesmo!

      Excluir
  3. Adorei a versão a lápis, ficou extremamente charmosa!
    e a cara final ficou um arraso!
    parabéns!!
    estou mega curioso para letícia " Cisne"

    ResponderExcluir
  4. Lindo de mais esse livro! Não vejo a hora de ler. *-*

    ResponderExcluir
  5. Genrão! :D
    http://legio.tumblr.com/

    ResponderExcluir
  6. Adorei a sua ideia de postar o desenvolvimento da capa El!
    Achei a versão a lápis linda e que sorte você seu de ter pessoas talentosas assim na família! kkkkk
    Beijos =*

    PS: Estou quase chorando pelo livro estra no fim :'(

    ResponderExcluir
  7. Muito lindo ver o desenvolvimento da capa.

    ResponderExcluir
  8. Viajei com Cisne, adorei comparar meu caçula com o personagem Tom, inquieto e brincalhão, meu neto amou a capa e o meu exemplar autografado, já é presente p/quando ele estiver maiorzinho. Pratinha além de ter Cisne agora foi brindada com Linhagem pois a Eleonor fez sua doação ao Projeto Mãos Amigas. Conhecemos pessoalmente e amamos, gentil, divertida e muito meiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pratinha merece, Sandra!
      Obrigada por todo o apoio, beijos e saudades...

      Excluir

Agradecemos seu comentário, foi lido com carinho! Volte sempre!