quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Maravilhas do mar: meia roxa O.o

Começando, para verem que não é brincadeira,
cá está o bicho "meia roxa de mar profundo".
Pior é que parece meia mesmo.

Esse animal foi visto pela primeira vez em 1949, e é tão bizarro que cientistas passaram 60 anos sem descobrir o que era ou mesmo sua localização exata no Reino Animal. Acabou provisoriamente classificado como um platelminto (= verme). Suas características: vive em águas profundas e frias no norte da Europa; tem 3cm de comprimento; não tem sistema nervoso organizado, só uma rede de neurônios na epiderme; não tem órgãos internos, só boca e trato digestivo em forma de saco. O esquisitão recebeu o nome de Xenoturbella e ficou lá, um tanto esquecido na ordem geral das coisas.

Mas, recentemente, a descoberta de quatro novas espécies no oceano Pacífico levou pesquisadores a concluir que o animal pertence a um dos ramos mais antigos da vida na Terra. Seu grupo recebeu o nome de Xenacoelomorpha (copia e cola para conseguir escrever certo esse negócio).

Os "primos" da "meia roxa":

xenoturbella_churro_rouse
Xenoturbella churro, “cabeça” para a direita. Foto de Greg Rouse.*
xenoturbella_japonica
Foto do único espécime conhecido de Xenoturbella japonica até agora.
 “Cabeça” para a esquerda. Créditos a Nakano et al. (2017).*
Ainda há a X. profunda, X. hollandorum e X. monstrosa, que tem espantosos 20cm de comprimento. Não encontrei imagens de nenhuma delas. Fiquem então com uma pequenininha, a X. bocki, a primeira a ser descoberta, didaticamente colocada sobre uma moeda para se ter uma ideia melhor de seu tamanho.


 Fontes e fotos: sites diversos, menção especial para o site Saense, que tem uma postagem com histórico e dados científicos bastante completos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário, foi lido com carinho! Volte sempre!