sexta-feira, 2 de setembro de 2016

AQUECE 13 - Talismã de Crialelar

Olá, tripulação!


***  CONTINUA O AQUECE ***

É assim que imagino a parte verde
do Talismã de Crialelar
Até o final da Bienal, postarei aqui um quote de Talismãs por dia, sempre às 19 horas. Generosos quotes!
(As novidades da Bienal serão via Facebook ou Instagram)

*** Lembrando que, na Bienal, estarei no estande M69 durante o evento todo, com minha turma de "monstrinhos"! ***

Quote MUITO generoso hoje!
Afinal, é o antepenúltimo dia de Bienal.
Não imaginam o que estou guardando para o último dia!


Segurando delicadamente o Talismã entre as mãos, Eris instruiu:
– Pete, você só toca neste Talismã se eu autorizar. Compreendeu? [...] De acordo com Moriser, existe um ponto energético no centro do Talismã. Foi isso que você "viu", com oito meses: uma matriz energética extremamente poderosa, que impressionou você muito mais do que a forma física do cristal. Mas não sabíamos que você havia interpretado essa lembrança como um ovo.
– Isso pode ajudar o adron? – Bem mais moderado, Peter não tirava os olhos do Talismã.
– Talvez. O que você vê agora?
Ele olhou a avó e respondeu:
– O mesmo que vocês, ora! Não estou vendo ovo nem matriz energética nenhuma!
– Muito bem, diga o que está vendo. Com detalhes.
– Quatro cristais lapidados e encaixados um no outro com perfeição, unidos no centro. Brilham muito, mas é brilho tipo joia, sem nada de brilho mental. Um é verde, outro é prateado, um preto, e o outro, dourado. – Peter indicava os setores do Talismã Quádruplo, sem aproximar a mão. – Juntos, formam um disco gorducho. Cada cristal é um quarto exato do todo. Tem doze zaminors muito pequenos na face superior e mais doze na face inferior.
– Como sabe que há doze zaminors na face inferior?
Mais uma vez, Peter olhou a avó antes de responder:
– Eu estou vendo. Os cristais são transparentes.
– Doutor Henry, o que o senhor vê?
– Um cristal em forma de disco com as quatro cores que Peter indicou, lapidado, que não é transparente. Não vejo zaminor algum.
– Paul?
– O mesmo que Henry, Matriarca.
– Robert?
– O mesmo cristal que eles, e os zaminors que estão na face superior – respondeu Robert. Senhores de Merine sempre podiam ver zaminors porque estes eram partes do sadar, o Talismã da Linhagem.
– Diure?
– Vejo igual a Robert.
– O que a senhora está vendo, adrina?
– Um cristal transparente de quatro cores, com zaminors em cima e em baixo. Esse Talismã, que é chamado de Talismã Quádruplo, só é visto transparente por seus Senhores. Até agora, apenas Moriser e eu o víamos assim. Há outra diferença entre o que todos nós, inclusive eu, vemos, e o que você vê. Você vê quatro cristais de cores diferentes unidos no centro. Nós vemos apenas um cristal, Pete, com quatro cores.
– São quatro – repetiu o rapaz. – Muito bem encaixados, mas separados. Esse Talismã é feito de quatro partes.
[...]
Eris olhou Diure e Robert, ambos muito silenciosos e pálidos.
– O Talismã Quádruplo, definitivamente, pertence a Pete... Com todas as consequências que isso traz.
– Não devem ser consequências muito animadoras pra eles estarem brancos desse jeito – observou Peter. – Depois vocês me contam. Agora vamos usar logo esse Talismã pra ajudar o adron.
Eris avaliou por alguns momentos, mas não viu alternativa. Era necessário explicar, ao menos em parte.
– Não vai ser tão simples, Pete. Os zaminors que cercam o Talismã Quádruplo estão aí para bloqueá-lo. Foram colocados por Moriser há muito tempo.
– Pete pode desfazer o bloqueio, Matriarca – informou Robert. – Tem controle suficiente sobre o sadar para isso. Pete, chame o sadar e...
– Esperem – cortou Eris, gentil e muito firme. – Este é um Talismã extremamente perigoso para Merine. Por isso foi bloqueado com o uso do próprio sadar.
– Perigoso? Do que está falando, mãe?! É só o Talismã Quádruplo!
– Sim, Diure, eu sei que é "só" o Talismã Quádruplo, e é por ser "só" o Talismã Quádruplo que está fechado num bloqueio do qual apenas Moriser e eu temos as senhas. Apenas me escutem sem interromper, por mais inesperadas que sejam as informações.
Bloqueio que só Patriarcas podiam romper?! Robert chegou a abrir a boca, Eris repetiu:
– Sem interrupções, Robert. Sei que Patriarcas não devem fazer isso, mas nós fizemos. Pete, a mãe de Moriser, Triss de Merine, era terráquea.
Peter ficou estupefato. Seu adron era meio terráqueo?!
– Mais do que isso, Triss era o que os terráqueos chamam de princesa de Linhagem, ou seja, uma Senhora mental terráquea. Com a morte de seu irmão mais velho, Triss se tornou a única herdeira de quatro poderosas Linhagens, representadas por cada uma das quatro cores deste Talismã. Você está certo, são quatro cristais separados. Originalmente, eram quatro Talismãs independentes que, por pertencerem a Linhagens afins, uniram-se para tentar salvar suas Linhagens e seus povos da extinção. O nome completo do Talismã é Talismã Quádruplo de Crialelar. Mas evitamos esse nome na Terra, porque Triss de Criale veio para Merine fugindo de sua gente, envolvida em um gigantesco mal-entendido. Crialelar acredita que Merine roubou o Talismã Quádruplo para fortalecer seu próprio poder. Isso aprofundou uma inimizade que já era antiga e que, a partir de Triss, se tornou ódio e intolerância. É o motivo da palidez dos seus pais: nenhum Senhor de Merine gostaria de entregar um filho a Crialelar. Triss era a única herdeira do Talismã Quádruplo, e veio para Merine. O Talismã veio com ela, assim como a linha direta de sucessão das Linhagens denominadas Quatro Grandes de Crialelar. Moriser se tornou herdeiro do Talismã e das Linhagens, mas o ódio de Crialelar impediu qualquer aproximação entre Merine e Criale. A decisão de Merine foi manter o Talismã aqui até as Linhagens dos Quatro Grandes se reativarem a partir de ramos secundários, na Terra. Só então o Talismã pode ser legitimamente devolvido. Bem entendido até aqui?
Peter assentiu, compreendendo que, até aquele ponto, as informações eram novidade apenas para ele.
– Merine é uma Casa muito poderosa e, apesar de o poder de Crialelar também ser grande, Diure e Rael nasceram Senhoras de Merine, com um setor mental criale residual. A cisão das Linhagens não aconteceu, mas o Talismã Quádruplo não aceitou isso. Apesar de estar tecnicamente desativado, o Talismã conseguiu acesso ao setor mental criale de Diure e Rael e, a partir dele, passou a modificar a mente das herdeiras desta Casa, pretendendo tomá-las para si. De acordo com Moriser, Merine toleraria até haver mais Criale do que Merine na mente de suas Senhoras, quando então nossa Casa passaria a defender sua Linhagem. Seria um verdadeiro cabo-de-guerra mental, com as mentes de Diure e Rael no meio. Durante anos, Moriser usou seu poder pessoal para conter o Talismã Quádruplo. Então, afinal, identificou a modulação do sadar capaz de bloquear o Talismã de Crialelar.
A metade dos zaminors que cercavam o Talismã Quádruplo brilhou e, desta vez, Paul e Henry os viram.
– Este foi o primeiro bloqueio: seis zaminors em cada face, o suficiente para conter a interferência até as mentes de Diure e Rael amadurecerem e se tornarem imunes à ação do Talismã. No entanto, maturação mental significa compromisso, e Diure escolheu um terráqueo que também tem sangue criale.
Peter olhou os pais, silenciosos e muito surpresos.
– Sempre, em cada dia que viveram aqui em Merine, Diure e Rael foram condicionadas a pensar no Talismã Quádruplo como "só" o Talismã de Crialelar: um Talismã desativado e inofensivo que deveria, oportunamente, ser devolvido à Terra. O vínculo do Talismã é mental e, quanto menos elas pensassem no Talismã, menos chances de contato ele teria. Com o compromisso, deveríamos contar a Diure sobre o perigo que o Talismã sempre representou para Merine. Mas, por causa da mente em parte criale de Robert, não nos atrevemos. Não sabíamos como seus filhos seriam. Você e Loon nasceram, Pete, e Moriser examinou vocês dois tão cedo quanto pôde.
– Quanto de criale tem em mim? – perguntou o rapaz, na leve pausa que a avó fez.
– Você é muito mais criale do que seus pais. Sua mente e a de Loon são mais parecidas com a de Moriser do que com as de Diure e Robert. O risco de o Talismã conseguir acesso a você e Loon era muito grande, e Moriser passou anos procurando meios de impedir. Não pretendemos negar a Crialelar suas Linhagens e seus Senhores, mas Linhagem alguma tem o direito de se reestruturar roubando os herdeiros de outra.
– Sim senhora.
– Pouco antes de entregarmos Merine a Diure e Robert, Moriser e eu fizemos o segundo bloqueio no Talismã.
Desta vez, todos os zaminors reluziram.
– Um bloqueio travado por senhas que não repassamos a Diure e Robert. Para eles, continuava sendo "só" o Talismã de Crialelar, e era assim que pretendíamos que continuasse. Quando chegasse o momento de desbloquear o Talismã, nós explicaríamos. Você e Loon tinham oito meses quando Moriser apresentou-os ao Talismã, como era seu dever fazer. Na verdade, ele adiou tanto quanto pôde, quase mais do que seria prudente. Loon foi o primeiro. Se as Linhagens criale se separassem em vocês, provavelmente ficariam com ele, o segundo herdeiro. O Talismã não reagiu a Loon, e pensamos que seria mais uma geração sem herdeiros ao poder de Crialelar aqui em Merine. Pensamos que se trataria de bloquear o Talismã por mais uma ou duas gerações, até ser possível devolvê-lo à Terra. Mas, quando você foi apresentado, a reação foi imediata, tanto sua quanto do Talismã. Havia vínculo e identidade, e teria havido contato se Moriser não impedisse. Embora essa primeira reação não implicasse em certeza absoluta, havia grande probabilidade de você se tornar o herdeiro do Talismã. O ódio de Crialelar a Merine é tremendo e, usando esse ódio como pretexto, apoiamos a decisão de Diure e Robert de manter o Talismã desativado e longe de você. Você só deveria se aproximar novamente do Talismã de Crialelar quando se tornasse o Senhor de Merine, Pete. Nessa ocasião, com sua mente madura e resistente a qualquer influência do Talismã, Moriser e eu retiraríamos o bloqueio que fizemos juntos.
– Para uma adrina especialista em bolos, a senhora guarda bastante surpresas. E se eu escolhesse uma terráquea com sangue criale por companheira, como minha mãe fez? Ia ser, como eles, Senhor de uma Casa cheia de segredos?
– A segurança à Linhagem vem antes de conveniências pessoais, Pete.
– É mais fácil a gente se proteger de inimigos conhecidos do que dos desconhecidos, Matriarca. Deixe ver se entendi. Esse Talismã é propriedade legítima do adron, por direito de herança. É poderoso o suficiente para interferir na mente de uma primeira herdeira, como ele tentou fazer com minha mãe. Minha mãe escolheu um companheiro terráqueo, criale, seja lá o que for isso, e então, apoiados por essa justificativa, a senhora e o adron optaram por manter segredos que teriam toda a obrigação de contar a eles. Loon e eu nascemos mais criale do que nossa mãe, e vocês, em vez de avisar a nossos pais, continuaram mantendo segredo.
– Por sua segurança e a de Loon, sim.
– Isso está me parecendo o suprassumo da insegurança, mas tudo bem. São decisões de Linhagem. A senhora e o adron podem se entender com os Senhores de Merine sobre seus segredos e opções. Sou um reles herdeiro e não tenho que me meter nisso, não é?
– Pete, é muito mais complexo do que esse resumo que dei.
– A senhora e seu companheiro podem discutir as complexidades com eles – repetiu Peter, indicando os pais. – Esse Talismã bloqueado é o "ovo" que pode ajudar o adron, o que é até bem lógico, considerando que o Talismã é dele. Mas, para ajudar, o Talismã precisa ser desbloqueado.
– O que vai liberar acesso à sua mente – completou Eris. – Na qual pode, talvez, exercer a mesma influência que exerceu sobre Diure e Rael, uma influência que, se não fosse interrompida, poderia ter causado danos extensos à mente de ambas.
– É uma influência rápida?
– Não. É lenta e constante.
– Eu sou o Senhor desse Talismã? Sem dúvida alguma?
– Sim, você é.
– Visão ou critério técnico?
– Critério técnico. Você vê o Talismã com mais clareza do que Moriser.
– Minha mãe não é nem nunca foi Senhora dele.
– Exatamente, Pete.
– Está parecendo que o reles herdeiro é que vai decidir esta – observou o rapaz.
– Talvez, reles herdeiro. Ou talvez a decisão seja minha e de Moriser. Moriser passou a vida inteira se esforçando para proteger Merine dos perigos de sua herança terráquea, e jamais permitiria que você arriscasse sua mente pelos olhos dele.
– Item número um, influência lenta e constante. Posso quebrar o bloqueio, ver o que o Talismã pode fazer pelos olhos do adron, e depois se verifica se há alguma influência estranha na minha mente. Item número dois, um Talismã pode arrebentar tudo que quiser, exceto seu herdeiro. Se esse Talismã é meu, não pode, por definição, me prejudicar de forma alguma. Item número três, este herdeiro já é proprietário do seu Talismã de nascimento. – O sadar surgiu na mão de Peter. – Um Talismã para enfrentar outro Talismã, essa é uma lição básica. Se o Talismã terráqueo tentar alguma gracinha, o sadar se entende com ele. – Peter fez uma curta pausa. – E eu me entendo com os dois.
Estendeu a mão, palma para cima, na direção da avó.
– Se é meu, me entregue.

Este talismã é um personagem quase vivo do enredo. Prestem atenção nele! Ah, podem começar a ficar curiosos sobre a postagem do último dia... Vai ser bem especial!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário, foi lido com carinho! Volte sempre!