domingo, 21 de agosto de 2016

AQUECE da Bienal de São Paulo

Olá, tripulação!

Vamos para um AQUECE especial para a Bienal de São Paulo, onde finalmente será lançado Talismãs!
Abre parêntese: turma do Olho do Feiticeiro, ele será retomado após o final da Bienal. Agora não dá. Fecha parêntese.
Lembrando que, na Bienal, estarei no estande M69 durante todos os dias do evento, com toda a minha turma de "monstrinhos"!

*** O AQUECE ***

De hoje até o final da Bienal, postarei aqui um quote de Talismãs por dia, sempre às 19 horas. Mas não serão quotes pequenininhos, daqueles lindos com imagem junto. Serão quotes para fãs de verdade. Ou seja, quotes generosos!
(As novidades da Bienal serão via Facebook ou Instagram)

– Calma, Henry – pediu Robert. – Paul não teve a intenção de interferir.
– Paul não precisa ser defendido – contrapôs Paul. – E Paul teve toda a intenção de interferir, sim! Sou o responsável por todo o grupo, e isso inclui seus filhos, Henry. Seus filhos, que logo vão estar em Champ-Bleux, no território de um Patriarca de Moolna, cercados por imperiais que vão explodir à menor menção de Merine e Lutadores!
– E a não-interferência?! Vale só quando eu quero falar alguma coisa das Linhagens de vocês, e fica cancelada quando você quer mexer na mente dos meus filhos?!
– Esperem aí, vocês dois... – tentou Robert, mas foi prontamente interrompido por Paul:
– Se kreganianos estão fora da minha jurisdição, prefiro ser formalmente avisado! Mas, se estão dentro, pretendo ser ouvido, quando falar! Ou você admite que Henry não precisa obedecer, ou diz a ele para parar com tanta indignação cada vez que eu sugiro alguma coisa!
– Ah, eu dizer a Henry para parar! – conferiu Robert. – Desde quando eu dou ordens a Henry, Paul? É melhor exercitar sua diplomacia em vez de sua autoridade. Um pouco de democracia não faz mal algum a um imperial! Quanto a você, Henry, sabe muito bem que Paul está tentando administrar a situação da melhor forma possível, e por isso sempre se intromete em tudo! São seus filhos, mas a ida deles para essa unidade de Champ-Bleux é um risco tremendo não só para eles, mas para todos nós!
 Nenhum dos dois respondeu.
– Paul, seria conveniente você lembrar, pelo menos de vez em quando, que só tem autoridade sobre nosso grupo porque os integrantes dele concordaram em obedecer. É um acordo, não uma autoridade imposta. E você, Henry, seria conveniente lembrar que, quando decidiu ajudar, concordou com as mesmas condições!
Houve um razoável silêncio, afinal quebrado por Paul:
– Desculpe, Henry. Estou muito preocupado com a ida dos seus filhos para essa unidade.
– Desculpe, Paul, estou mais preocupado do que você. Já estava preocupado antes do Mar Negro. Agora, estou muito mais.
Paul suspirou profundamente, esfregando o rosto.
– Não vai me vencer nesse campeonato de preocupação, Henry. Você estudou sobre atlantes. Eu sou um. É diferente. Na verdade, não sei como você não mandou todos os seus filhos para Kreganian ainda. Se fossem meus filhos, eu teria feito isso, com ou sem toque de reunir. O toque de reunir é terráqueo. Vocês são kreganianos. Não precisam se sentir responsáveis por ele.
– Em parte, não fiz porque sou teimoso. E, basicamente, não fiz porque tenho confiança nos meus filhos. Eles podem encarar seus príncipes imperiais.
– Podem encarar uma princesa de Relana como Katelin jogando charme para conseguir respostas? Eu duvido.
– Você estudou sobre Kreganian. Eu sou um kreganiano. É diferente.
Paul deu uma boa olhada para Henry, que estava, inesperadamente, sorrindo de leve.
– A verdade é que nenhum de vocês entende de kreganianos, Paul. Se um dos meus filhos tivesse passado, só um, e precisasse ir para perto de uma princesa de Relana, eu seria o primeiro a impedi-lo de ir. Mas todos eles passaram. Todos eles vão estar juntos lá. Um, sozinho, cairia no fascínio de Relana. Como vão estar juntos...
– ... Um ajuda o outro a resistir? Não funciona assim, Henry!
– Não, Paul. Cada um resiste sozinho porque sabe que, se cair na armadilha e falar demais, coloca os irmãos em perigo. Kreganianos não colocam a família em perigo. Nunca.
– Seus filhos nem conhecem Kreganian para agirem de acordo com a cultura de sua gente, Henry!
– Não é um traço cultural, é uma característica da nossa estrutura mental. Nossa sociedade apenas reflete o que nossas mentes são. – Henry encarou Paul, um atlante de Senira, e Robert, um atlante de Moolna. – O que sempre me deixou muito intrigado a respeito da estrutura mental de vocês, porque o Império Atlante é, disparado, o lugar onde mais se luta em todo o Universo conhecido. Sei como meus filhos vão se comportar porque é desse modo que kreganianos se comportam, mesmo quando não sabem que são kreganianos. Confiem em mim. Eles não vão falar do que não devem.

Então, o que acham? Quem está certo? Paul ou Henry?

2 comentários:

  1. Boa ideia. Com toda certeza Henry. Ele é pai, sabe o que é melhor para seus filhos, os conhece e os criou perfeitamente bem. Não colocaria todos em perigos se não soubesse o que está fazendo. #HenryOMaior

    ResponderExcluir
  2. Eu amei esse quote, já estou curiosa para ler mais...
    Estou ansiosa pra tê-lo em minhas mãos.
    Henry sempre defendendo seus filhos, gosto como ele lida com a situação que o Paul o coloca. Vai ser uma disputa boa ehhh.

    ResponderExcluir

Agradecemos seu comentário, foi lido com carinho! Volte sempre!