terça-feira, 30 de agosto de 2016

AQUECE 10 - Ainda a aposta!

Olá, tripulação!


***  CONTINUA O AQUECE ***

A capa antiga.
Azulona como Talismãs é agora!



Até o final da Bienal, postarei aqui um quote de Talismãs por dia, sempre às 19 horas. Generosos quotes!
(As novidades da Bienal serão via Facebook ou Instagram)



*** Lembrando que, na Bienal, estarei no estande M69 durante o evento todo, com minha turma de "monstrinhos"! ***


– Ô chuvinha que não acaba! E você, que tantos papos são esses com o Fogueirinha? Consequências daquele beijo, ainda?
– Vocês não vão largar do meu pé?!
– Mana Pam, não é o seu pé que aquele Fogo quer agarrar! – riu-se Tim. – Ok, pode ir contando dos papos. Pode ir explicando por que trocam de assunto cada vez que a gente chega perto!
– Porque nós estamos com uma aposta em andamento e discutindo as regras da coisa, é por isso!
– Ah, aposta! Quer ver como eu adivinho? Se ele ganhar, quer um beijo de prêmio!
– Certo! – concordou Pam, com uma chispa perigosa no olhar. – Mas adivinhe o que eu quero, se eu ganhar!
Tim ignorou a chispa e respondeu, rindo:
– Ele beija você se ele ganhar, e você beija ele se você ganhar?
– Não, Tinzinho do meu coração. Se eu ganhar, Jean vai beijar VOCÊ!
– O QUÊ?! – bradou o rapaz.
– Isso aí. E não adianta perguntar pra Jean o que é, porque a aposta é secreta e vocês não ficam sabendo antes do fim!
– Mas tá doida que vou deixar aquele Fogueira me beijar! Nem brincando! Nem pra pagar aposta! Eu descubro esse raio de aposta e faço ele ganhar de qualquer jeito!
– Ele não vai contar!
– Ah, vai! Ah, conta, ou eu não me chamo Tim Melbourne!
– Seu nome é Thimoty! – lembrou Pam, rindo.
– Melhor Thimoty do que Laura ou Marieta ou Sara Beatrice! Mana Pam, como pôde fazer isso comigo?!


MESMO COM A CHUVA chata, mesmo com a monotonia climática, a paz a bordo do Cisne desapareceu. Tim cercou Jean de perguntas, atordoou, ameaçou, sacudiu, e Jean só ria. Os irmãos se meteram, dispostos a fazer todo o possível para Pam ganhar a aposta, só para Tim ganhar o beijo. Entraram animadamente na questão de onde deveria ser dado o beijo. Se Jean queria beijar Pam na boca, era justo beijar Tim do mesmo jeito!
O cientista olhou o caos instalado na sala de leme e navegação. Tim, indignado, protestava que tinha que valer pra TODOS os irmãos de Pam! Os outros irmãos de Pam, Bobby inclusive, estavam às gargalhadas, defendendo-se com argumentos que Tim contradizia com absoluta ferocidade.
– Engraçado – comentou Henry para Doris. – Eu estava até gostando do chuvisco e do silêncio. Agora, o que eu mais queria era que essa chuva parasse para eles irem discutir lá fora!
– Vá descansar – sugeriu Doris. – Estão muito ocupados para sentir sua falta!
– Eu vou, mas fique de olho em Jean. Agora o pescoço dele ficou mesmo a perigo!
Exausto, Henry dormiu como uma pedra. Acordou com algo semelhante a outra pedra em cima da sua barriga.
– Tá na hora da janta, pai! – avisou alegremente Bobby, sentado na barriga do pai.
– Você senta na minha barriga e quer que eu tenha fome?
– Mamãe mandou chamar o senhor! – O menino riu. – Que dorminhoco que o senhor anda, hein, papai!
– Com essa chuva chata, só dormindo, mesmo. Já parou?
– Parou legal, tem até estrelas no céu, mas está frio pacas!
– Sei! Jean ainda está a bordo?
Bobby deu risada.
– Tim bem que quis atirar pra fora, mas os manos não deixaram!
Henry riu, olhou a hora e pegou um blusão.
– Isso chega para suas pacas de frio?
– O senhor tem que se pentear, seu cabelo parece o de Tim, está arrepiado... pacas! – provocou Bobby.
– Essas suas pacas são muito versáteis!
– Pois é. E só vão sobrar elas pra me fazer companhia! Por que eles têm que sair tão cedo pra Escola?! Pra que sair tão antes de começar a aula?! Por que eu não posso ir junto?!
– Bobby, cedo ou tarde eles vão ter que sair. Se preferem sair cedo, tudo bem. Não vai ser fácil para eles, também. E você não pode ir junto porque, obviamente, não pode voltar sozinho. Aliás, deve ser a vigésima vez que repito isso.
– Mas eles pelo menos vão estar todos juntos! Eu é que vou ficar aqui sozinho com uma tripulação toda de gente grande!
– Doris e eu vamos ficar.
– É diferente. Isso aqui vai virar uma xaropação só. Vou ficar velhinho feito o velho Don fazendo barquinhos com canivete esperando minha vez de fazer os exames de Champ-Bleux!
– Está tomando cuidado com aquele canivete?
– Estou, estou, estou! Pelo menos o velho Don disse que vai ficar! Ele pode, não pode? Mesmo quando a outra tripulação vier?
– Ele pode, sim.
– Pai, o senhor acredita que existem sereias, como ele diz?
– Acredito que o mar é muito grande e que pode existir muita coisa lá embaixo. E, nesse caso, estou com Jean: prefiro acreditar que vivo num mundo que tem sereias!
Bobby gostou da resposta, sorriu e comentou:
– Viu só como Tim anda chato com o velho Don? Ele vivia dizendo que ia pegar uma sereia à unha. Veio o velho Don dizendo que sereias existem mesmo, e Tim fica dizendo que ele é maluco e que não existe sereia coisa nenhuma!
– Tim prefere explicações mais lógicas do que as que o velho costuma dar. – Henry terminou de se pentear. – Como é, não estou mais despenteado pacas? Podemos jantar?
 Durante o jantar, Tim ainda estava indignado, prometendo represálias terríveis a Pam e Jean. Se Jean ousasse perder a aposta secreta, ia perder o escalpo também! Ele TINHA que ganhar! O resto da turma estava torcendo descaradamente pela vitória de Pam, é claro.

Ainda o caso da aposta. Vocês estariam ingenuamente pensando que esta aposta vai ter uma solução simples? Não me conhecem ainda, rsrs?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário, foi lido com carinho! Volte sempre!