quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Leituras: o desafio de falar de livros especiais II

Bem, vamos adiante com os livros especiais!

1. Sombras da Primavera - Keila Gon, editora Novo Século, 462 páginas. Este livro é especial porque: 1 - a história é muito boa; 2 - a escritora é amiga do coração! E não venham tentar me convencer que não faz diferença se a escritora é amiga ou não, porque faz. E muita! Não só pelo livro, que a gente curte de maneira diferente, mas porque escritoras amigas significa muita discussão sobre enredo, personagens, gosto deste, não gosto daquele, como você vai sair da sinuca em que você mesma se meteu, amiga?, e, principalmente: como é que termina esta história, afinal?! Claro que é recíproco, e todos os livros das duas envolvidas entram na roda e na discussão.
Sobre o livro: Sombras da Primavera é continuação de Cores de Outono. Diz Keila que o terceiro e último livro da série, Luzes de Inverno, está pronto... Mas conheço a fúria revisora da nossa raça, rsrs! Diria que está quase-quase. Eu gostei de Cores de Outono. Da premissa da história, dos personagens que foram muito bem construídos e que convencem, da forma como a magia entra na vida dos personagens. Mas, como eu disse para Keila, peguei uma bronca tremenda da Melissa, a personagem principal, que era bem tosca em suas atitudes, de vez em quando! Abrir parêntese: quando a gente se irrita com um personagem, é porque a escritora escreveu bem. Ninguém se irrita com um personagem que não convence. Fechar parêntese. Em Sombras, Melissa está mais decidida, menos tosca (mas continua entrando em frias incrivelmente ingênuas. Se liga, menina!) e, para a satisfação de Keila, perdi boa parte da implicância que tinha com a personagem. Keila continua com sua mão ótima para romance (sr. Vincent perfeito arrancando suspiros gerais), mas, neste segundo livro, Melissa rouba boa parte da cena. Seu relacionamento com Vincent continua com altos e baixos, e o sr. mago das sombras podia ser um pouco mais claro quanto aos motivos de seus atos (leiam e vão entender de que ato estou falando). Além do romance Melissa-Vincent, temos as doses certas de aventura, drama e mistério - sim, nós e Melissa vamos aos poucos percebendo que a protagonista está metida em águas muito mais profundas do que imaginou. E eu vou parar por aqui mesmo, porque já tive que apagar este texto uma dúzia de vezes. Os spoilers saem quase sem eu perceber! Calada, Eleonor. Calada! Vão lá, leiam o livro e depois conversamos, ok?

2. O Anatomista de Dragões - Alexandre Kalfeld, editora Normas, 322 páginas de história e mais diversas de um belíssimo anexo com desenhos de dragões e partituras de música(porque a comunicação com os dragões é feita através de música, ok?). Conheci Alexandre em Foz do Iguaçu e recebi o livro em mãos, autografado.
Motivo de ser especial e sobre o livro, tudo junto: hoje, existem dragões de tantos tipos e em tantas histórias que é difícil um leitor se sentir surpreendido. Bem, Alexandre conseguiu. Começou colocando os dragões no início do século XX, num passado de fantasia onde a Humanidade conhece os dragões desde tempos imemoriais. Aliás, muito humanamente, já extinguiu diversas espécies deles. Os dragões, tanto os semi-domesticados quanto os selvagens, são perigosos de mais de uma maneira para a espécie humana. É necessário extrema cautela para lidar com eles, mas, mesmo assim, são usados como armas nas guerras, montados por seus lanceiros (cada dragão aceita apenas um lanceiro, uma pessoa que o monta, a vida inteira). As diferenças no livro de Alexandre começam com o personagem principal, Jhonatan Rose. Ele não é um lanceiro, é um apreciador/curioso sobre dragões. Assim, temos um protagonista que é mais intelectual do que aventureiro, e que dedica sua vida a estudar os dragões de uma forma nunca feita antes. Os dragões descritos por Alexandre são tão reais que realmente convencem o leitor, assim como a sociedade em que estão inseridos. Encontramos no relato muitos dados do nosso passado real, mesclados com a mais absoluta fantasia. A história, apesar de não contar com as peripécias heroicas onipresentes em livros de dragões, prende até o final, e eu não vou contar o motivo, senão entrego o livro. Romance? Sim, temos. Mas os protagonistas são os dragões. Não dá pra falar mais senão, mais uma vez, entrego o livro. Mas dá pra dizer que o cientista europeu vem para a região de Foz do Iguaçu, onde temos dragões voando perto das cataratas... Só quem conhece as cataratas pode ter ideia de que visão maravilhosa seria isto!
Curiosidade: o livro é um Jhonatan Rose adulto contando a uma repórter brasileira a história de sua vida, e é assim que conhecemos o personagem: através de suas próprias palavras.

3. Livraria Limítrofe - O Adeus - Alfer Medeiros, editora Fantas, 200 páginas. Não conheço o autor e não conhecia o livro. Comprei por recomendação, e por ser fascinada por livros de capa dura, como este.
Motivo de ser especial: eu me encantei. Imagine uma livraria mágica e nômade, capaz de, literalmente, dar vida aos livros. A livraria escolhe um leitor e o acolhe, tornando "realidade" o que ele lê. O livro é composto por pequenos contos (capítulos) que relatam o contato de algum leitor com a livraria. Todos os contos se conectam pela magia da Livraria Limítrofe e, apesar de serem bem diferentes uns dos outros, todos são incríveis! A gente se espelha na narrativa. Mais cedo ou mais tarde, um dos contos vai ser sobre o tipo de leitor que você é! O autor não menciona o título de qualquer obra, mas consegui reconhecer a maioria dos livros mencionados. Já reli este pequeno livro duas vezes, e uma terceira releitura está na minha programação. É uma pequena joia, e recomendo muitíssimo a todos os leitores que, alguma vez, já sonharam estar dentro do livro que estão lendo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos seu comentário, foi lido com carinho! Volte sempre!